Ano 1

N. 11

On Line

Versão impressa circula em parte dos bairros Cidade Nova, Silveira, Nova Floresta, Renascença/Ipiranga, Palmares e União
N. 11- O JORNAL DA REGIÃO NORDESTE

Bem Vindo -  Agora são: ,  do dia:

SALA DE VISITAS

Humor e talento de Afo
moram na Cidade Nova
Por Julio Emílio Tentaterra

  [voltar]


O chargista Afonso Celso Duarte, o Afo, está contente porque no dia 25 de julho completou 25 anos de trabalho no jornal “Estado de Minas”, onde solidificou seu talento como criador na seara fina do humor. Afo nasceu em Araguari, Triângulo Mineiro, em 1941 e se mudou aos três anos de idade para a capital mineira, que assumiu como sua cidade do coração. Tornou-se chargista profissional em 1969 no extinto jornal de Belo Horizonte, “O Diário”. Depois, pelas mãos de Oswaldo Faria se transferiu para o “Diário de Minas”, onde trabalhou com importantes profissionais da imprensa mineira e nacional. Ficou por lá durante oito anos como chargista e diagramador.

Afo se especializou trabalhando como designer gráfico na gráfica e editora Santa Edwiges, do seu grande amigo Carlos Mota, que era a gráfica mais poderosa da capital mineira nos anos de 1970 e 1980. Depois, foi para o “Estado de Minas” onde está até hoje. Foi neste mesmo diário que nos anos de 1970 criou a página “Humordaz”, que se transformou em almanaque, com a participação de craques do desenho como Lor, Nilson, Dirceu, Procópio, Benjamin e os então iniciantes Mário Vale e Aroeira.

O Humor ácido do grupo emplacou junto ao público e incomodou a censura prévia dos generais da ditadura militar que definhava na época.
Afo se declara torcedor do América Futebol Clube e se considera um chargista-cartunista, publicitário e designer gráfico, com seu bem montado Home Office na Cidade Nova. “Sou mais pela galhofa, pela ironia fina. Por cutucar sem ser duro. Minhas criações são recheadas de parábolas e alegorias, pois ajuda no conteúdo de meus trabalhos e ajuda também o leitor ligar um ponto ao outro. Quem se diverte mais com o que faço é o leitor, porque eu já sei o final”, diz Afo sobre suas criações.

Ele declara que em qualquer setor da criação é preciso estar bem informado. “Por isso leio de tudo,

Afonso Celso Duarte, o AFO

 

até dicionário e sempre ando com meu bloquinho de anotações e registro todas as idéias que surgem pela minha cabeça e que leio pelas ruas”, ensina Afonso Celso Duarte. E acrescenta, “sem forçar a barra levo todos os assuntos para a minha tirinha diária do ‘Estado de Minas’. É preciso ser eclético e variado. Por isso incluo Tevê, culinária, polícia, economia, igrejas, governos, até as picaretagens da política”.

As criações humorísticas de Afo estão espalhadas em diversas publicações por todo o país e podem ser conferidas diariamente no caderno de Esportes do “Estado de Minas”, e, de terças às sextas-feiras, na página “Gandula” do jornal “Aqui”, em parceria com Son Salvador.
Contatos com Afo podem ser feitos através do e-mail guicampid@gmail.com.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


alto/page up


voltar/home

 

 

Links relacionados:

Fator previdenciário: maldade com o trabalhador

Credibilidade e confiança

Após um suspiro, a decepção!

O coqueiro está balançando